12 de Agosto – Dia Mundial do Elefante

Hoje (12 de agosto) é o Dia Mundial do Elefante (World Elephant Day). A data foi criada com objetivo de proteger todas as espécies de elefantes e obter apoio para a conservação dos maiores mamíferos terrestres do planeta

De densas florestas até os desertos mais secos, de montanhas elevadas até as areias das praias. Oelefante-africano (Loxodonta africana) é encontrado em 37 países diferentes na África.  São encontrados em grupos liderados por uma matriarca, a fêmea mais experiente da manada. Machos podem ser encontrados sozinhos ou em pequenos grupos de solteiros. A característica mais marcante desse extraordinário animal é sua tromba, utilizada para uma variedade incontável de funções. Ela é forte o bastante para levantar galhos de árvores, mas é delicada o suficiente para pegar uma única folha de grama do chão. Além disso, é utilizada para beber: O elefante suga uma enorme quantidade de água com a tromba e a leva até a boca  para matar a sede.

Chega a pesar até 7 toneladas. Mas um grande tamanho e um habitat tropical é uma combinação perigosa. A área de superfície do animal é pequena em relação a sua massa, o que dificulta a perda de calor. O risco de superaquecer é alto. Para compensar esse fato ele possui grandes orelhas que funcionam como radiadores. O elefante as abana constantemente, criando uma brisa que faz com que o sangue, que passa pelas orelhas, resfrie. Assim, evita que a temperatura chegue a níveis alarmantes.

Mãe e filhote - Foto: Fábio Paschoal

Mãe e filhote – Foto: Fábio Paschoal

Continue Lendo

Leia Mais

prancha-rolha

As pranchas de surf sustentáveis feitas com rolhas de cortiça

Reaproveitar materiais é um dos grandes desafios para evitar o desperdício e até mesmo poupar a natureza da geração de resíduos.

A prática é colocada agora em diversos produtos, como as pranchas de surf feitas com rolhas de cortiça fabricadas pela empresa, de nome bem peculiar, Richpeoplethings (“Coisas-de-gente-rica”, em tradução livre”), em Murcia, na Espanha.

Como o esporte é inteiramente ligado à natureza, nada melhor do que uma matéria prima sustentável na hora de fazer as pranchas. A ideia partiu de dois jovens espanhóis que coletam e captam rolhas doadas por voluntários. Após serem separadas por tamanho e colocadas na forma correta, são fixadas com cera de abelha e resina de pinheiro, materiais menos impactantes do que os encontrados na indústria. E não é que o design vazado ficou bacana?!

A cortiça é altamente indicada para pranchas por conta de suas particularidades, visto que é impermeável, leve, elástica e adere bem ao surfista, proporcionando uma melhor performance sobre as águas. Segundo a Richpeoplethings, cerca de 2.500 toneladas de rolhas de cortiça são descartadas anualmente.

O produto é feito sob medida em diversos modelos através de encomenda no site oficial da empresa, que garante a entrega em até dois meses. E tem mais coisa boa: parte da produção é doada para projetos que incentivam o esporte.

Se liga nessa “maravilha da natureza”:

prancha-rolha13 prancha-rolha12 prancha-rolha11 prancha-rolha10 prancha-rolha9 prancha-rolha8 prancha-rolha7 prancha-rolha6 prancha-rolha5 prancha-rolha4 prancha-rolha3 prancha-rolha2 prancha-rolha

Via


Curta a Mind’s UP no facebook
Siga a Mind’s UP no Twitter
Siga a Mind’s UP no Instagram
Confira nossos Produtos

Assine nossa NEWSLetter e fique por dentro de todas as atividades que realizamos em parceria com a Família e Time Mind’s UP.

Leia Mais

1st-Prize-People’s-Choice-–-postandfly

O primeiro concurso de fotografia realizado por drones

Veja os vencedores do primeiro Concurso de Fotografia Drone Internacional, organizado pela rede social Dronestagram.

O concurso que começou no dia 15 de maio de 2014 em parceria com a National Geographic, recebeu mais de 2000 inscrições de participantes em todo o mundo. Os vencedores vieram de Indonésia, Singapura, México, Bulgária e França.

Via


Curta a Mind’s UP no facebook
Siga a Mind’s UP no Twitter
Siga a Mind’s UP no Instagram
Confira nossos Produtos

Assine nossa NEWSLetter e fique por dentro de todas as atividades que realizamos em parceria com a Família e Time Mind’s UP.

Leia Mais

579349_10150800227744421_1877865363_n

Uma escola onde as aulas acontecem dentro da floresta

A educação passa por um processo de transformação. O modelo educacional vigente está desfasado há décadas e não podemos tentar ensinar às nossas crianças e adolescentes um conteúdo que eles podem acessar na hora que quiserem em qualquer celular que tenha wi-fi.

Muitos movimentos de vanguarda acontecem pelo mundo e um deles é a IslandWood, uma escola ao ar livre em Seattle, nos EUA.

IslandWood é um exclusivo centro de aprendizagem ao ar livre de 255 hectares, projetado para oferecer experiências excepcionais de aprendizagem ao longo da vida e inspirar a gestão ambiental e da comunidade, combinando a pesquisa científica, a tecnologia e as artes para ajudar os estudantes a descobrir as conexões naturais e passarem a se integrar mais à natureza, coisa que não acontece no cotidiano urbano das crianças.

Baseada nas ideias de aventura e exploração sugeridas pelas próprias crianças da região, Debbi e Paul Brainerd, moradores de Bainbridge Island nos EUA, fundaram a escola na floresta em 1997 – uma organização sem fins lucrativos e que conta com um design inovador, que se tornou exemplo de economia de energia e de estilo de vida sustentável, ensinando valores vitais para o desenvolvimento crítico e analítico dessas crianças.

A escola prova que a natureza, com sua infinita beleza e força, consegue nos auxiliar a sermos pessoas melhores, mais saudáveis e mais conectadas a valores que realmente valem a pena.


todas as imagens do site IslandWood e Facebook.


Curta a Mind’s UP no facebook
Siga a Mind’s UP no Twitter
Siga a Mind’s UP no Instagram
Confira nossos Produtos

Assine nossa NEWSLetter e fique por dentro de todas as atividades que realizamos em parceria com a Família e Time Mind’s UP.

Leia Mais

Cadeira ecológica

Coletando plástico para mudar o mundo!

Curta-metragem sobre a coleta de plástico para fazer uma cadeira em um barco de pesca no mar.

Desde a descoberta da Mancha de Lixo do Pacífico, em 1997, o que imagina-se que mede o dobro do tamanho do Texas, mais cinco foram encontrados através dos oceanos do mundo, com o giro do Atlântico previsto para ser ainda maior. Este plástico leva milhares de anos para se degradar, permanecendo no ambiente, dividindo-se em fragmentos cada vez menores pelas correntes oceânicas.
O giro se estende desde o litoral da Califórnia até as margens do Japão. Estudos recentes estimam que existam 46 mil pedaços de plástico por quilómetro quadrado dos oceanos do mundo. O número de peças de plástico no Oceano Pacífico triplicou nos últimos dez anos e com o tamanho da acumulação deverá duplicar nos próximos dez anos.

Esta cadeira é feita inteiramente de plástico recuperado de nossos oceanos. Junto com os pescadores locais, o Studio Swine recolhe e processa o plástico marinho em um barquinho no mar.

Sea Chair from Studio Swine on Vimeo.

Créditos
Conceito e Design: Alexander Groves & Azusa Murakami
Cinema: Juriaan Booij
Música: Elisa Luu / 22 Marz
Links
juriaanbooij.com
studioswine.com


Curta a Mind’s UP no facebook
Siga a Mind’s UP no Twitter
Siga a Mind’s UP no Instagram
Confira nossos Produtos

Assine nossa NEWSLetter e fique por dentro de todas as atividades que realizamos em parceria com a Família e Time Mind’s UP.

Leia Mais